O Projeto ROCKOMODO nasceu de duas paixões:

A Música, um sonho antigo de adolescente, componente de uma das inúmeras bandas de rock dos 60 e os Animais que me levaram à Veterinária nos 70. O tempo passa, mas as paixões continuam, tanto que resolvi voltar à música. 

De fã e admirador dos meus ídolos de infância passei a desfrutar da amizade e o companheirismo deles, o que me levou a criar, produzir e dirigir o projeto ROCKOMODO: um grupo de amigos com objetivos e interesses comuns realizando antigos sonhos recriando antigos talentos, hoje com mais experiência, conhecimento e criatividade.

Tanto quanto no Rock como o Dragão de Komodo, desde suas origens até seus representantes atuais, tanto os dinossauros do rock são citados como a última geração de uma espécie em extinção, o réptil não foi extinto, por isso a correlação, dos últimos Dinossauros vivos do planeta, com os Dinossauros do Rock. O instinto de sobrevivência e a capacidade de adaptação ao meio ambiente superaram o desaparecimento de ambos, contribuindo assim para a procriação e a preservação da espécie e da arte consequentemente.

Uma das características principais do Projeto ROCKOMODO é a união e amizade, além de estar aberto a novos caminhos, para manter a meta principal que é a preservação e o resgate da história viva de nosso Rock.

Caso sinta-se atraído pelo nosso trabalho, seja bem-vindo, junte-se a nós e venha somar em nossa proposta,

                                                

                                                             Sylvio Rockomodo

 

Dragão-de-komodo ou crocodilo-da-terra (Varanus komodoensis) é uma espécie de lagarto que vive nas ilhas de Komodo, Rinca, Gili Motang e Flores, na Indonésia.Pertence à família de lagartos-monitores Varanidae, e é a maior espécie de lagarto conhecida, chegando a atingir 40 cm de altura e 2–3 m de comprimento e 110 kg de peso. O seu tamanho invulgar é atribuído a gigantismo insular, uma vez que não há outros animais carnívoros para preencher o nicho ecológico nas ilhas onde ele vive, e também ao seu baixo metabolismo.Como resultado deste gigantismo, estes lagartos, juntamente com as bactérias simbiontes, dominam o ecossistema onde vivem.Apesar dos dragões-de-komodo comerem principalmente carniça, eles também caçam e fazem emboscadas a presas incluindo invertebrados, aves e mamíferos.

A época de reprodução começa entre maio e agosto, e os ovos são postos em setembro. Cerca de vinte ovos são depositados em ninhos de Megapodiidae abandonados e ficam a incubar durante sete a oito meses, e a eclosão ocorre em abril, quando há abundância de insectos. Dragões-de-komodo juvenis são vulneráveis e, por isso, abrigam-se em árvores, protegidos de predadores e de adultos canibais. Demoram cerca de três a cinco anos até chegarem à idade de reprodução, e podem viver até aos cinquenta anos. São capazes de se reproduzir por partenogénese, no qual ovos viáveis são postos sem serem fertilizados por machos.

Os dragões-de-komodo foram descobertos por cientistas ocidentais em 1910. O seu grande tamanho e reputação feroz fazem deles uma exibição popular em zoológicos. Na natureza, a sua área de distribuição contraiu devida a actividades humanas e estão listadas como espécie vulnerável pela UICN. Estão protegidos pela lei da Indonésia, e um parque nacional, o Parque Nacional de Komodo, foi fundado para ajudar os esforços de protecção.

O dragão-de-komodo é conhecido, para os nativos da ilha de Komodo, como ora, buaya darat (crocodilo da terra) ou biawak raksasa (monitor gigante).